publicado em
27 Novembro 2016 às 19:45

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em John McAfee on the Erosion of Privacy and Freedom

 


John McAfee on the Erosion of Privacy and Freedom

By Joshua Philipp, Epoch Times | November 24, 2016

NEW YORK—John McAfee, who created the world’s first antivirus computer program, VirusScan, in 1987, and became a news sensation in 2012 when he was on the run from the law in Belize, gives a sobering view of how we are allowing technology to slowly erode our privacy, and with it, our basic freedoms.

“People are missing the fundamental truth of privacy,” said the McAfee Associates founder, in an interview with Epoch Times. “Governments, phone companies, and Google would like us to believe that if we have nothing to hide, we have nothing to fear. That is an extraordinarily naive understanding of privacy.”

When you go to the grocery store and meet a new clerk, do you tell that clerk all the details of what you did the night before? asks McAfee. What about your bank problems? The mortgage on your house?

When you leave the store, maybe you bump into an acquaintance, and with this person, you make small talk about how their family is doing. But you don’t divulge to this person the level of information you would a close friend, he points out.

“We have a social structure and order and process for such interactions, and they involve very limited choices,” McAfee said.

We have different levels of trust for each person we encounter, and the amount of personal information we divulge is based on this level of trust. Privacy, he said, is built by the “constant decisions and actions that each of us makes thousands of times per day.”
Privacy is complex. It’s not as simple as ‘I’ve got nothing to hide therefore, I’ve got nothing to fear.’ If everyone knew everything about everyone else, there would be riots in the streets.

McAfee views privacy as “the glue that holds our society together.” There’s the understanding that if we all divulged every detail about ourselves—our deeds both good and bad, all of our political views, all of our thoughts and opinions—it wouldn’t be our similarities that stick out anymore, but rather our differences.

The human race tends to be as judgmental as it is loving, he said. If people knew the misdeeds, betrayals, and bad thoughts of everyone around them, it could lead to riots in the street.

“It is the negative qualities that require privacy in order to have a smoothly functioning society,” McAfee said.

The idea that sharing information and ideas online would somehow help people to better understand each other has been proven false by the divisiveness now on display. “We just had election riots in the streets. Does any of that dialogue matter? No.”

For all that people can exchange ideas online, the level of debate is far from functional. McAfee believes people are judgmental and fixed in their opinions. “If I like Trump, then there is nothing that you will tell me about Hillary Clinton that will change my mind.”

He said reality differs from the optimistic view that sharing information about ourselves online can bridge differences. “All of these pie-in-the-sky hopes for technology, I don’t think will be achieved.”

As people divulge their deeper ideas, people with different views are often left feeling offended. The divulging of information, in this case, is leading to calls for the online censorship of rival viewpoints and information. Twitter’s recent purge of alt-right political commentators could be seen as a worrying precursor.
The Information Dictatorship

The idea of a single authority having control over information, the ability to discredit ideas and opinions, and the ability to censor at will, brings prospects that McAfee believes we as a society should find deeply concerning.

We’re already seeing this, as major technology hubs like Facebook and Google become both the storehouses of our personal information and the choke points of information we are able to receive.

“Google has prohibited power, has unconscionable power,” he said.

Many people take Google search results as fact, but overlook the sources of that information, and how Google selects which to put at the top of the list and which to bury. The next dictator, McAfee said, “will not be a political, head-of-state dictator.”
Google has prohibited power, has unconscionable power, because where do we get our information. … Who gives you that information?

“It will be,” he said, “the dictator of information.

“What I choose for you to believe, understand, know, or to fight for is the ultimate power.

“Who has that vault of power? Right now, it is Google.”

In the endless barrage of information, the challenge becomes knowing what is fact and what is fiction.

“The fake and the real cannot be distinguished if one person controls the delivery of the truth.”

Any information filtered by that person, he said, is going to be colored by their own prejudices and judgments, no matter how kind the person may be.
Big Brother Through Big Data

People also underestimate the significance of the data they generate, said McAfee. Beyond the bits and bytes stored on smartphones, people leave a wealth of information behind with every website they visit and every purchase they make.

Everything from Facebook comments to phone calls leaves data to be harvested.

“It’s every interaction of your life in the electronic world,” McAfee said.

He believes the rapid erosion of privacy, and the corporate collection of our personal data, is threatening society in a fundamental way.

“I see this headed in a direction that will cause a major collapse of the social order,” he said.

Our personal data is being traded, used, and monitored. Businesses like Google are using it to serve us advertisements. Companies are using it to understand our behaviors and personal interests. Governments are using it to watch for threats, or to prosecute us if we step out of line.
What I said 10 years ago is happening. What I said last year, it’s happening. But it doesn’t make me less of a lunatic.

McAfee noted that most great military leaders were great because they could predict the actions of their enemies. Now we are divulging data that can be used against us, in just the same way, right down to our most basic activities, interests, opinions, and beliefs.

“The goal of every dictator has not been absolute power,” he said, “It has been absolute knowledge of the populous, because a dictator who knows everything about you—where you are, who you’re with, what you’re saying—that man will never be unseated. This has been the search of all dictatorships since Adolf Hitler.

“This is George Orwell’s ‘1984,’ where you re-write history every day. This is the horror.”

As we enter a new the world of big data and the loss of privacy, there exists a power of dictatorship unprecedented in human history, an ability for a government to know the intricate details of its citizens, and shape their reality according to its machinations.

“This is that combination of what the dictator knows about the individual, and what the dictator allows the individual to know about his or her reality,” he said.

“We are standing on the edge of a cliff, teetering.”

Article printed from The Epoch Times: http://www.theepochtimes.com

publicado em
20 Novembro 2016 às 21:13

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em Eutanásia: Morrer é terapia?

 


Eutanásia: Morrer é terapia?

Autor: Alexandre Ferreira
Publicado em OBVIOUS

A morte pode ser considerada uma terapia, quando a tentativa de manter alguém vivo é o pior remédio? Ou a decisão sobre a vida vai além do sofrimento ou do desejo? Em que ponto de uma tentativa de cura a vida se torna menos importante que a morte? Ao que parece, o problema não é para quem vai, mas para quem fica…
O avanço inexorável da Ciência, mais especificamente no campo médico, vem evidenciar sobremaneira a necessidade cada vez mais premente de uma revisão minuciosa do Estudo da Ética, erigido nos primórdios da humanidade como mecanismo fundamental e propulsor do Método Científico ao qual delimita. Hoje, os infindáveis recursos de que dispomos para prolongar a vida (inclusive dos pacientes terminais e/ou até mesmo, dos pacientes com morte cerebral comprovada) nos chama à discussão sobre a legalidade do princípio de preservar a vida até a última instância como primordial no enfoque da medicina moderna, visto que de certa maneira, em muitos casos, essa conduta significa prolongar o sofrimento.

Até que ponto a melhor terapia seria deixar morrer?

Essa questão, já exaustivamente respondida sob o ponto de vista de todas as crenças de que se tem conhecimento, vem de encontro a um tema assaz ponderado nos últimos anos pelos estudiosos dos juízos de apreciação referentes à conduta humana no trato científico da vida e da morte. É sob esse prisma que ganhou força a ideia da morte também como terapia.

Objetivamente, falamos de Eutanásia e podemos dizer que a sua origem nos remete inevitavelmente à Grécia antiga — muito embora haja relatos bem anteriores dessa prática em povos Celtas. Da forma como contado, os celtas matavam seus pais e parentes idosos e terminais para que não penassem agonizantes. Ao longo do tempo, o termo eutanásia absorveu simploriamente para os outros idiomas a conotação de “Morte serena e sem sofrimento, não agoniosa”.

Certo é que muitos filósofos se debruçaram sobre o assunto, entre eles se destacaram alguns favoráveis à prática (Platão, Sócrates e Epicuro), e também, alguns não favoráveis (Pitágoras, Hipócrates e Aristóteles), o que não ajuda muito na defesa ou não da prática, considerando que foram todos esses homens brilhantes. Por essa razão mesmo é que a evolução notadamente da discussão somente aconteceu quando, em 1623, o estudioso Francis Bacon em sua obra “Historia Vitae et Mortis” apontou a Eutanásia como sendo “o caminho para a morte apropriada”, e se aprofundou ainda mais quando, em 1904, o estudioso Morache levantou um outro enfoque para o tema, mais complexo e determinado pelo emprego do neologismo Distanásia: “A morte prolongada, com sofrimento físico e psicológico do indivíduo lúcido”. A definição de Morache se constituía, no seu entendimento filosofal, como a única situação em que a Eutanásia se justificaria, de fato. Essa tese serviu de embasamento jurídico posterior para a formulação de leis mais apuradas acerca da prática.
tualmente, apesar dos avanços no entendimento dos mecanismos legais sobre o assunto no decorrer do século XX, abertamente, apenas quatro países do mundo admitem a Eutanásia: Holanda, Bélgica, Suíça e Alemanha. Prática que, conforme definição do Conselho de Bioética da Organização Mundial de Saúde, admitida como válida pelos principais Dicionários e Enciclopédias, científicas ou não, do Mundo, é o ato, ainda que sem amparo legal específico, de abreviar a vida de um Paciente cuja doença que o acomete é reconhecidamente mortal, incurável e/ou degenerativa, de modo a que haja perda total ou parcial da autonomia para a sobrevivência sem o devido amparo médico, e agravada independentemente da terapia utilizada no tratamento da enfermidade, embora necessariamente o paciente deva e/ou possa discernir sobre seu estado, mas não necessariamente constituindo-se em um Paciente Terminal, ou seja, aquele cujo tempo de vida independentemente do tratamento empregado variará de três a seis meses, no máximo.

Segundo estudo aprofundado de vários professores – entre os quais vale destacar os brasileiros Carlos Fernando Francisconi, Genival Veloso de França e José Roberto Goldin – a Prática da Eutanásia pode ser classificada quanto ao Tipo de Ação em:

1 – Eutanásia Ativa: Quando o ato deliberado de provocar a morte do paciente sem sofrimento ocorre por fins misericordiosos;

2 – Eutanásia Passiva ou Indireta: Quando a morte do paciente ocorre dentro de uma situação de terminalidade, ou porque não se inicia uma ação médica necessária ou porque se interrompe uma medida extraordinária com o objetivo de minorar o sofrimento;

3 – Eutanásia de Duplo Efeito: Quando a morte é acelerada como uma consequência indireta das ações médicas que são executadas visando o alívio do sofrimento de um paciente terminal.

Há também, ainda segundo esse estudo, a classificação quanto ao Consentimento do Paciente em:

1 – Eutanásia Voluntária: Quando a morte é provocada atendendo a uma vontade do paciente;

2 – Eutanásia Involuntária: Quando a morte é provocada contra a vontade do paciente;

3 – Eutanásia não Voluntária: quando a morte é provocada independente da vontade do paciente.

Também, ao longo dos tempos, algumas outras interpretações mais subjetivas ou de cunho espiritual foram importantes para destrinchar e entender melhor a importância da religião nas questões éticas: A relevância e o enfoque que elas adquirem para cada credo específico, influenciando decisivamente até na Pesquisa Científica direta e na implantação dos resultados obtidos. Nesse sentido se destacaram os Teólogos Larrag e Claret que, no Século XIX, formularam tese sobre a Eutanásia como sendo “A morte em estado de Graça”, abrindo novo leque interpretativo para o tema. Isto mais tarde viria a influenciar alguns juristas espanhóis quanto à visão do Homicídio Piedoso, vista mais adiante.
Todo esse ideário sobre a Eutanásia veio, no Século XX, a comprovar a necessidade de se formular mecanismos legais mais complexos acerca da validação ou não do ato, e embora haja uma vasta e competente literatura sobre o tema – com trabalhos premiados de vários profissionais, em todas as linhas de interpretação e de todas as áreas, inclusive médicos, teólogos, até juristas e sociólogos — a competência específica da ciência para dissertar e determinar sobre a legalidade do ato suplantou a qualificação jurídica para legislar acerca do mesmo, ora limitando-a ao poder meramente conceituai que a filosofia imprime no trato da medicina quanto à proteção à vida.

Hoje, apesar do alargamento do limite científico na manipulação da vida (demostrado com louvor nos casos que envolveram a clonagem de humanos), ainda há um entrave quanto à capacidade de entendimento jurídico da Eutanásia que cresce — infelizmente – na medida em que se progride nas técnicas de revitalização dos seres viventes, uma vez que se mantém o discurso ético científico original, ainda que já em muito reformulado. Dessa falta de clareza quanto aos limites de competência nos valores acerca da defesa do bem-estar do indivíduo humano resulta a necessidade de se discutir o objetivo da medicina.

Alguns bons juristas tentaram sem tanto êxito estudar o tema, embora outros tenham se destacado por observarem o aspecto filosófico da Eutanásia, entre eles o Dr. Jimenez de Asúa, importante advogado espanhol que, em fins da década de 20 do século anterior, formulou a tese jurídica sobre o Homicídio Piedoso, posteriormente incorporada ao Código Penal Uruguaio, que além de ter sido o primeiro país a admitir uma brecha legal para a prática da Eutanásia, ainda hoje mantém esse código de leis datado de 1934. Nesse caso e de acordo com a tese, a inimputabilidade facultada resulta das seguintes condições apreciadas pelo júri, em casos de Homicídio:

1 – Ter antecedentes honráveis e comprovados;

2 – Ter realizado o Homicídio sob forte emoção, caracterizada como piedade extrema, na tentativa desesperada de amenizar o sofrimento da vítima;

3 – A vítima ter feito, comprovadamente, reiteradas súplicas para que a deixassem morrer.

A salvaguarda feita no Código de Leis Uruguaio foi aperfeiçoada por juristas e sociólogos através de estudo financiado pelos Países Baixos, que durou mais de 20 anos, acompanhado também por Cientistas – e aplicada na Holanda, a partir de 1993, na forma de Suicídio Assistido. Segundo o estudo realizado, este ocorre quando uma pessoa enferma irreparável não consegue realizar um suicídio sozinha, devido a limitações físicas e mentais, comprovadas em Parecer de Junta Médica, e solicita o auxílio dos profissionais que a cercam de cuidados para realizar tal ato. Este auxílio deveria ser indireto para que não se caracterizasse como Eutanásia, o que de fato não acontece, pois quase todas as vítimas são incapacitadas fisicamente — vale lembrar que a lei não se aplica a pessoas comuns que tenham auxiliado outras a se suicidarem, e nisso difere um tanto do Código Uruguaio, pois nesse caso se constituiria delito grave, sem qualquer previsão de inimputabilidade.

Dentre os critérios para se solicitar o Suicídio Assistido na Holanda constam:

1 – A solicitação para morrer deve ser uma decisão voluntária feita por um paciente informado;

2 – A solicitação deve ser bem ponderada por uma pessoa que tenha compreensão clara e correta da condição do doente e de outras possibilidades. A pessoa que deseja morrer também deve conhecer dessas nuances;

3 – O desejo de morrer deve ter alguma duração considerável;

4 – Deve haver sofrimento físico e mental que seja insuportável, mesmo que a vítima não esteja terminal;

5 – A consultoria em Junta Médica imparcial é obrigatória. Ainda assim, mesmo que se sigam todas as hipóteses favoráveis à prática, o médico que realizar a Eutanásia sob forma de Suicídio Assistido, deverá enviar extenso Relatório do ato à Autoridade Médica Local – sem emissão de Atestado de Óbito até que se cumpra a praxe — e esta relatará a morte ao Promotor Distrital, que decidirá ainda se o médico deve ou não ser processado.

Como se pode notar, há uma fina linha de seda que separa o Suicídio assistido de um crime de Homicídio, que perdura e impede que os médicos holandeses realizem a prática com segurança, mesmo que o doente lhes comova de sua vontade.

Alguns outros países também autorizaram a Eutanásia sob forma de Suicídio Assistido em seus Códigos Penais, casos da Colômbia, em 1997 – esta com a mesma abordagem do Uruguai – e da Bélgica, em 2002 — esta última reformulou o conceito holandês, tornando-o mais restritivo. Suiça, Alemanha, Suécia e Luxemburgo, mais recentemente, também resolveram seguir por esse mesmo caminho do suicídio assistido. Já na Áustria, a Eutanásia Passiva não é ilegal.

Israel é o único país asiático a permitir a Eutanásia. Por lá, há dispositivos legais específicos sobre o ato, que é permitido em doentes comprovadamente terminais, o que é bastante surpreendente, dada a evolução social apresentada no país.

Por outro lado, outros países preferiram rever e reestudar os mecanismos legais que poderiam vir a dar esteio à essa prática, mas sem muito sucesso: Caso da Austrália, que num curto período de tempo (entre 1996 e 1997) incorporou ao seu Código Penal uma lei que admitia a Eutanásia em Pacientes Terminais, apenas, exatamente como fizeram alguns Estados dos EUA, na mesma época, sendo que com mais sucesso do que na terra do canguru, visto que a lei perdura até hoje nesses locais.

A Espanha, mesmo tendo sido o País precursor do debate acerca do tema, ainda não admitiu nenhuma Lei favorável a Eutanásia, o mesmo acontece com o Canadá, que apesar de não ter nenhum mecanismo legal favorável, costuma punir com menos rigor os responsáveis por cometerem essa prática. Já a França apresentou uma forma mais complexa de caracterizar a prática como crime em seus domínios, diferenciando a Eutanásia Ativa — que constitui Homicídio — da Eutanásia Passiva — que constitui Omissão de Socorro. Alguns projetos de lei tentaram ser implantados na virada do Século, porém sem o menor sucesso, um deles chamou a atenção, pois garantiria a possibilidade de o paciente francês decidir sobre a melhor terapia para seu caso em detrimento da ação do médico, dentre as quais, morrer. Atualmente, a França permite sedação permanente em pacientes terminais.

No Brasil a Eutanásia ainda é considerada Homicídio, mas houve um Projeto de Lei sobre o assunto que tramitou sem muito sucesso no Senado Federal por longos anos, desde 1995. Infelizmente, sua abordagem era bastante falha em alguns pontos cruciais: Como no que dizia respeito aos prazos para que o paciente refletisse sobre a sua decisão e como o que determinava sobre quem seria o Médico Responsável pelo ato, por exemplo. Ainda sim, se constituiu num mecanismo legal ousado e interessante, sabendo-se que procurava reformular conceitos da tentativa francesa de possibilitar a livre escolha do melhor tratamento por parte do paciente, abrindo novo ideário de discussões acerca da Ética Médica no Brasil. Por outro lado, procurava amenizar a pena das pessoas comuns que cometem homicídios piedosos.
Hoje, a Reclusão para os casos de Homicídio varia de seis a vinte anos, com a nova lei, um novo Parágrafo seria implantado descrevendo a possibilidade do Homicídio Piedoso, com reclusão que variaria de três a seis anos, somente. Outro Parágrafo significativo seria implantado relatando os casos em que um indivíduo qualquer desligasse conscientemente os aparelhos responsáveis por manter artificialmente a vida de uma pessoa enferma. Nesse caso, se atestado por dois médicos que o paciente não teria chance de sobreviver, o Réu ficaria isento de culpabilidade, ainda que tivesse a intenção de matar comprovada em juízo.

Não é difícil perceber que existe uma preocupação progressiva por parte de todos os países do mundo acerca da Eutanásia, mais acentuada após Congresso da ONU sobre o tema, no início dos anos 2000 e, segundo estudo feito pela Universidade de Cambridge àquela época, até meados da década de 10 dos anos 2000, pelo menos 85% dos países do planeta já teriam legislado algo sobre o assunto, previsão que, infelizmente, não se concretizou.

De outro modo, no entanto, há mobilizações interessantes na Inglaterra e na Irlanda acerca do estudo da Bioética e, é provável que dentro dos próximos anos se altere alguma coisa nessa área em boa parte dos países europeus. Aliás, já é tempo de mudanças comportamentais na Sociedade da Ciência.

Bom, pelo menos numa coisa esses estudos – mesmo os teológicos e filosóficos – continuarão sendo vazios: Em que ponto de uma tentativa de cura a vida se torna menos importante que a morte?

Levantada a pergunta, cada um chegue à sua conclusão.

Fontes de Pesquisa:

Jiménez de Asúa L. Libertad para amar y derecho para morrir. Buenos Aires: Losada, 1942. Admiraal P. Euthanasia and assisted suicide. In: Thomasnma DC, Krushner T. Birth to death. Cambridge: Cambridge, 1996:210. Diniz D. A despenalização da Eutanásia Passiva: O caso da Colômbia. Medicina-CFM 1998; XE11(98):8-9. * Criegger BJ. Cases in Bioethics. New York: St Martin, 1993:137.

*Declaração de Madrid sobre Eutanásia — WMA/1987

*Declaração de Veneza sobre Doentes Terminais — WMA11983

*Declaração de Política sobre o cuidado de pacientes terminais com dor crônica — WMA/1990

*Códigos Penais Comentados dos Seguintes Países: Uruguai; Holanda; Colômbia; Austrália; França; Bélgica; Brasil; Espanha e Canadá

*Schneiderman LJ. Jecker NS. Wrong Medicine: Doctors, Patients and Futile treatment. Baltimore: Johns Hospkins, 1995;8,

* Código de Ética Médica — CFM Brasil, 1988





publicado em
26 Outubro 2016 às 8:03

por

etiquetas
direito comercial

Comentários fechados em Juros de mora comerciais – 2º semestre de 2016

 


Juros de mora comerciais – 2º semestre de 2016

Em execução do disposto no quadro legal relativo aos atrasos de pagamento, nomeadamente da Portaria 277/2013, de 26 de agosto, a Direção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF) fixou em:
• 7%, a taxa supletiva de juros de mora relativa a créditos de que sejam titulares empresas comerciais, singulares ou coletivas, nos termos do § 3º do artigo 102º do Código Comercial (aplicável aos contratos celebrados antes de 01/07/2013);
• 8%, a taxa supletiva de juros de mora relativa a créditos de que sejam titulares empresas comerciais, singulares ou coletivas, nos termos do § 5º do artigo 102º do Código Comercial e do Decreto-Lei 62/2013, de 10 de Maio.
Estas taxas, aprovadas pelo Aviso 8671/2016, de 30 de junho, publicado na 2ª série do D.R. de 12 de julho p.p., vigoram no 2º semestre de 2016.
O Decreto-Lei 62/2013, em vigor desde 01/07/2013, aplica-se a todas as transações comerciais, quer as estabelecidas entre empresas, incluindo profissionais liberais, quer entre empresas e entidades públicas, apenas não se aplicando às transações com os consumidores, aos juros relativos a outros pagamentos (como os efetuados em matéria de cheques e letras, ou a título de indemnização por perdas e danos efetuados ou não por seguradoras) e às operações de crédito bancário.
Transações comerciais emergentes de contratos celebrados a partir de 01/07/2013, salvo quando esteja em causa (a) a celebração ou renovação de contratos públicos decorrentes de procedimentos de formação iniciados antes da sua entrada em vigor e à execução dos contratos que revistam natureza de contrato administrativo celebrados na sequência de procedimentos de formação iniciados antes dessa data, ou (b) prorrogações, expressas ou tácitas, do prazo de execução das prestações que constituem o objeto de contratos públicos cujo procedimento tenha sido iniciado previamente à data de entrada em vigor do presente diploma.
O DL 62/2013 veio ainda permitir ao credor o direito de cobrar e receber do devedor que se atrase no pagamento, para além dos juros de mora, uma indemnização de valor não inferior a € 40,00, sem necessidade de interpelação, pelos custos administrativos internos de cobrança da dívida, sem prejuízo do direito a provar que suportou custos razoáveis que excedem aquele montante, nomeadamente com o recurso a advogado, solicitador ou agente de execução, e exigir do devedor indemnização superior.

JUROS DE MORA COMERCIAIS
(Evolução das taxas supletivas desde 17 de Abril de 1999)
2º semestre de 2016 8,00%
7,00% Aviso nº 8671/2016, de 12/7 (operações sujeitas ao DL 62/2013)
Aviso nº 8671/2016, de 12/7 (outras operações)
1º semestre de 2016 8,05%
7,05% Aviso nº 890/2016, de 27/1 (operações sujeitas ao DL 62/2013)
Aviso nº 890/2016, de 27/1 (outras operações)
2º semestre de 2015 8,05%
7,05% Aviso nº 7758/2015, de 14/7 (operações sujeitas ao DL 62/2013)
Aviso nº 7758/2015, de 14/7 (outras operações)
1º semestre de 2015 8,05%
7,05% Aviso nº 563/2015, de 19/1 (operações sujeitas ao DL 62/2013)
Aviso nº 563/2015, de 19/1 (outras operações)
2º semestre de 2014 8,15%
7,15% Aviso nº 8266/2014, de 16/7 (operações sujeitas ao DL 62/2013)
Aviso nº 8266/2014, de 16/7 (outras operações)
1º semestre de 2014 8,25%
7,25% Aviso nº 1019/2014, de 24/1 (operações sujeitas ao DL 62/2013)
Aviso nº 1019/2014, de 24/1 (outras operações)
2º semestre de 2013 8,50%
7,50% Aviso nº 11617/2013, de 17/9 (operações sujeitas ao DL 62/2013)
Aviso nº 10478/2013, de 23/8
1º semestre de 2013 7,75% Aviso nº 594/2013, de 11/1
2º semestre de 2012 8,00% Aviso nº 9944/2012, de 24/7
1º semestre de 2012 8,00% Aviso nº 692/2012, de 17/1
2º semestre de 2011 8,25% Aviso nº 2284/2011, de 14/7
1º semestre de 2011 8,00% Aviso nº 2284/2011, de 21/1
2º semestre de 2010 8,00% Despacho nº 13746/2010, de 12/7
1º semestre de 2010 8,00% Despacho nº 597/2010, de 11/1

publicado em
10 Outubro 2016 às 11:59

por

etiquetas
Artigos

Comentários fechados em Regulamento Geral sobre a Protecção de Dados: Notas II

 


Regulamento Geral sobre a Protecção de Dados: Notas II

O RGPD (Regulamento UE 2016/679 do PE e do Conselho de 27 abril 2016) contém, no seu artigo 4º, uma longa lista de definições, à semelhança aliás da técnica já utilizada na Diretiva 95/46/CE. Há, contudo, aspetos inovadores no glossário atual, e também valerá a pena revisitar alguns dos conceitos que, não sendo propriamente recentes, podem apresentar novas vertentes a ter em conta.
Assim, refira-se desde logo a definição de partida: o que são dados pessoais, de acordo com este instrumento jurídico? Trata-se de informação relativa a uma pessoa singular (titular dos dados) identificada ou identificável; o conceito de identificabilidade é densificado de modo exemplificativo, podendo a identificação resultar direta (nome) ou indiretamente e por referência a um determinado objeto identificador (número de identificação, dados de localização, elementos de identidade física, genética, fisiológica, mental, económica, social ou social, entre quaisquer outros elementos que produzam o mesmo efeito identificador).
De igual modo, verifica-se que a noção de tratamento é definida com recurso à exemplificação, deixando em aberto outras eventuais operações para além das previstas – recolha, registo, organização, estruturação, conservação, adaptação, alteração, recuperação, consulta, utilização, divulgação por qualquer forma, comparação, interconexão, limitação, apagamento, destruição; de notar que a própria operação de limitação aparece definida autonomamente como inserção de uma marca nos dados pessoais conservados com o propósito de restringir o seu tratamento no futuro.





publicado em
17 Setembro 2016 às 8:29

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em Regulamento Geral sobre a Protecção de Dados: Notas I

 


Regulamento Geral sobre a Protecção de Dados: Notas I

O Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho (RGPD), datado de 27 de abril de 2016, vem alterar radicalmente o quadro legal relativo à proteção das pessoas singulares no que respeita ao tratamento dos dados pessoais, revogando a Diretiva 95/46/CE.
Assentando no propósito claro de harmonização entre os Estados-Membros, em virtude da sua aplicabilidade direta, prevista no artigo 288º do Tratado de Funcionamento da União Europeia (TFUE), o diploma dá especial atenção à livre circulação dos dados, a partir da constatação, desenvolvida logo no Considerando (5), sobre o “aumento significativo dos fluxos transfronteiriços de dados pessoais” causado pela “integração económica e social resultante do funcionamento do mercado interno”.
Em vigor desde o vigésimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia, o RGPD é aplicável a partir de 25 de maio de 2018. Esse momento marcará uma abordagem diversa da proteção dados em vários aspetos, que procuraremos referir de modo sumário.
A prevista redução da fragmentação, a par do aumento da segurança jurídica, têm o propósito declarado de melhorar a proteção dos direitos fundamentais das pessoas singulares.
Assim, o direito à proteção de dados é assumido no quadro da defesa dos direitos e liberdades fundamentais dos indivíduos, como resulta do artigo 1º do Regulamento (UE) 2016/679.

publicado em
24 Junho 2016 às 9:51

por

etiquetas
Artigos

Comentários fechados em A conformidade do Projeto Lei n.º61/XIII – em discussão na AR – com a CDPD – apontamento

 


A conformidade do Projeto Lei n.º61/XIII – em discussão na AR – com a CDPD – apontamento

Autora: Doutora Alexandra Chícharo das Neves

A CDPD assenta em novos paradigmas que, ao terem sido adotados pelos Estado Português – com a ratificação da Convenção -, devem constituir os alicerces da construção do estatuto jurídico das pessoas com deficiência.

Ora, o art.º 3º, da CDPD, consagra como “princípios gerais” os seguintes: o respeito pela dignidade inerente, a autonomia individual, incluindo a liberdade de fazerem as suas próprias escolhas, e independência das pessoas, a não discriminação, a participação e inclusão plena e efectiva na sociedade, o respeito pela diferença e aceitação das pessoas com deficiência como parte da diversidade humana e humanidade, a igualdade de oportunidade, a acessibilidade, a igualdade entre homens e mulheres, o respeito pelas capacidades de desenvolvimento das crianças com deficiência e o respeito pelo direito das crianças com deficiência a preservarem as suas identidades.

Por outro lado, o Estado comprometeu-se a – de harmonia com os art.º2.º, n.º1, al. a) e b), da CDPD – “adoptar todas as medidas legislativas, administrativas e de outra natureza apropriadas com vista à implementação dos direitos reconhecidos na presente Convenção” e a “tomar todas as medidas apropriadas, incluindo legislação, para modificar ou revogar as leis, normas, costumes e práticas existentes que constituam discriminação contra pessoas com deficiência”.

Assim, a CDPD traz-nos uma visão dos direitos das pessoas com deficiência no quadro dos Direitos Humanos onde as pessoas com deficiência são sujeitos de direitos, cidadãos plenos, que gozam e exercem plenamente os direitos civis, políticos, económicos, culturais e sociais.

Complete a leitura do artigo em PDF: Projeto-Lei-nº61-XIII-CDPD.

publicado em
1 Fevereiro 2016 às 17:59

por

etiquetas
Mestrado, textos

Comentários fechados em DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (conclusão)

 


DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (conclusão)

AUTORA: Lurdes Dias Alves

6. Procuração de cuidados de saúde
A Lei 25/2012 de 16 de Julho regula igualmente a nomeação de procurador de cuidados de saúde, nos seguintes termos:
a) A procuração de cuidados de saúde é o documento pelo qual se atribui a uma pessoa, voluntariamente e de forma gratuita, poderes representativos em matéria de cuidados de saúde, para que aquela os exerça no caso do outorgante se encontrar incapaz de expressar de forma pessoal e autónoma a sua vontade; Aplicando-se com as necessárias adaptações, o disposto nos artºs 262º e 264º, bem como nos nºs 1 e 2 do artº 265º, todos do Código Civil.
b) Qualquer pessoa pode nomear um procurador de cuidados de saúde, bem como um segundo procurador, caso o primeiro se encontre em situação de impedimento, atribuindo-lhe poderes representativos para decidir sobre os cuidados de saúde a receber, ou a não receber, pelo outorgante, quando este se encontre incapaz de expressar a sua vontade pessoal e autonomamente;
Não podem ser nomeados procuradores de cuidados de saúde, os funcionários do Registo Nacional do Testamento Vital (RENTEV) e os do Cartório Notarial que intervenham nos atos regulados pela Lei 25/2012, bem como os proprietários e os gestores de entidades que administram ou prestam cuidados de saúde.
c) As decisões tomadas pelo procurador de cuidados de saúde, dentro dos limites dos poderes representativos que lhe competem, devem ser respeitadas pelos profissionais que prestam cuidados de saúde ao outorgante;
d) Em caso de conflito entre as disposições formuladas no documento de diretivas antecipadas de vontade e a vontade do procurador de cuidados de saúde, prevalece a vontade do outorgante expressa naquele documento;
e) A procuração de cuidados de saúde é livremente revogável pelo seu outorgante, encontrando-se também prevista a possibilidade do procurador renunciar à procuração, devendo, neste caso, deverá informar por escrito o outorgante.
7. Registo do testamento vital e da procuração de cuidados de saúde
O RENTEV (Registo Nacional de Testamento Vital) manterá atualizada a informação relativa às DAV e procurações de cuidados de saúde registadas, referentes a cidadãos nacionais ou estrangeiros.
O registo não é condição de validade dos referidos documentos, mas pretende garantir o seu conhecimento por quem possa neles ter interesse, nomeadamente pelos prestadores de cuidados médicos.
O registo das DAV ou da procuração de cuidados de saúde é feito presencialmente pelo outorgante ou solicitado através de correio registado com aviso de receção, e mediante o preenchimento do modelo aprovado pela Portaria, assinado pelo declarante e com a assinatura reconhecida presencialmente.
O pedido presencial de registo deve ser apresentado junto dos serviços de cuidados de prestação de serviços de saúde da respetiva área da residência do interessado.
Os documentos apresentados serão depois validados pelo Agrupamento de Centros de Saúde ou Unidade Local de Saúde, podendo o interessado ser notificado para proceder à retificação ou junção de documentos adicionais (em 10 dias úteis), se necessário. Não sendo supridas as deficiências encontradas, o processo de registo caduca.
Sendo o registo concluído com sucesso, é disso dado conhecimento ao outorgante e ao seu procurador, no caso de o documento a registar ser uma procuração.
Quando seja necessária a prestação de cuidados de saúde a pessoas incapazes de expressar de forma livre e autónoma a sua vontade, o médico verifica a existência de documentos de DAV ou procuração de cuidados de saúde registados no RENTEV, dando cumprimento ao que delas constar, no caso de existirem.
Os profissionais de saúde podem não cumprir as diretivas se justificarem com objeção de consciência16, mas o estabelecimento de saúde tem que garantir o seu cumprimento.
O outorgante, o seu procurador ou as entidades médicas podem consultar a referida base de dados através do Portal do Utente. Todos quantos acedam a estas informações estão vinculados a dever de sigilo.
Os documentos submetidos e a vontade expressada podem a todo o tempo ser alterados, sendo válidos pelo período de 5 anos. Com uma antecedência mínima de 60 dias, a entidade junto da qual o registo está feito deve avisar da caducidade eminente, para que, havendo nisso interesse, possa o outorgante renovar os documentos, mediante a apresentação de uma declaração de confirmação.
Cada acesso à informação do RENTEV é automaticamente notificado ao outorgante ou ao seu procurador, desde que estejam registados os respetivos endereços de correio eletrónico.
8. Breves notas conclusivas
Um dos direitos enunciados na Carta dos direitos e deveres dos doentes é precisamente o Direito à livre escolha dos prestadores de cuidados de saúde, a Constituição da República Portuguesa consagra no nº 4 do artº 64º que o serviço nacional de saúde tem gestão descentralizada e participada.
Ora, o que assistimos nos últimos anos ou década e que existe um retrocesso na descentralização, muitas têm sido as notícias que nos chegam pelos media de partos em ambulâncias; de partos de crianças portuguesas nascidas em maternidades espanholas (sobretudo nas zonas fronteiriças) em virtude da menor distância; partos ocorridos a bordo de aviões da força aérea Portuguesa (o caso das parturientes que têm de viajar nos Açores de Santa Maria para São Miguel); de idosos (de aldeias sobretudo do interior do país) que residem a vários quilómetros do centro de saúde mais próximo, situação agravada pela escassez de transportes públicos, em que muitas vezes só até ao transporte mais próximo deparam-se com uma distância de caminhada que a sua condição física já não permite; de situações de emergência, em que o atraso na prestação de cuidados urgentes e até mesmo de suporte básico de vida, põe em causa a vida do doente.
2Perante estas adversidades, não pode a sociedade exigir destes o dever de zelar pela sua própria saúde, porquanto não têm a menor possibilidade de exercer tal dever.
Uma outra questão consiste na aceitação por parte do doente – da doença, que por razões religiosas, aceita o sofrimento que Deus lhe deu. Esta aceitação, esta crença, provém sobretudo da sua liberdade de consciência, da sua espiritualidade em que a capacidade de suportar o sofrimento é encarado como o alcançar da sua própria redenção.
Do mesmo modo que, de acordo com o direito à liberdade religiosa, não pode ser censurável, nem tão pouco contrariada, a decisão de uma Testemunha de Jeová em não realizar uma transfusão sanguínea, porque esta decisão tomada no âmbito da sua liberdade de consciência, lhe confere a faculdade de escolher os seus próprios padrões de ponderação ética ou moral.
Certo é que, no exercício da sua liberdade religiosa e no respeito da sua dignidade de pessoa humana, os poderes públicos e as entidades privadas não podem interferir nessa decisão, devem antes, respeitar essa decisão, desde que a mesma se mostre informada e livre.
Porque uma Testemunha de Jeová tal como uma qualquer outra pessoa que confesse uma qualquer religião é livre de crer ou não, na divindade, no sobrenatural, no transcendente, nos princípios básicos de uma determinada religião, por optar ou não, numa visão mais ou menos compreensiva do mundo. Porque o que realmente interessa à pessoa é que a sua convicção responda às questões últimas sobre o sentido da vida, da sua própria vida.
Nesta sociedade plural que embrenha as suas raízes numa visão humanista das relações humanas e interpessoais, e proclama o respeito pelos direitos humanos como “bandeira” imprescindível à dignidade humana. Sociedade esta em que a morte é “tabu”, porque valoriza a beleza, a saúde perfeita e a juventude, terá inevitavelmente de aceitar a degradação, a dor (associada à doença e à idade) e por fim – a morte.
Porque, cada um de nós deverá ter a possibilidade de viver a sua própria morte como uma fase da vida, logo, ter a autonomia para efetuar escolhas com a finalidade de ter uma morte digna – uma boa morte.

publicado em
31 Janeiro 2016 às 19:47

por

etiquetas
Mestrado, textos

Comentários fechados em DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (V)

 


DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (V)

AUTORA: Lurdes Dias Alves

4. Eficácia
As diretivas antecipadas de vontade podem produzir efeitos não só entre os intervenientes, mas também perante terceiros. Em respeito à vontade do declarante, da celebração do testamento vital resultam sobretudo proibições no modo de agir, impostas à equipa responsável pela prestação de cuidados de saúde.
Se constar do RENTEV um documento de DAV, ou se este for entregue à equipa responsável pela prestação de cuidados de saúde, está tem o dever de respeitar o seu conteúdo, quer tenha sido entregue pelo outorgante ou pelo procurador de cuidados de saúde.
5. Cessação de efeitos
Os efeitos do testamento vital cessam logo que se verifique a revogação tácita ou a caducidade. Cessando expressamente por vontade do outorgante quer pela modificação ou revogação do documento de diretiva antecipada de vontade anteriormente outorgado.
5.1. Revogação tácita e caducidade
Consideram-se tacitamente revogadas quando ocorram algum dos seguintes factos. As DAV não devem ser respeitadas quando se comprove que o outorgante não desejaria mantê-las; quando se verifique desatualização da vontade do outorgante face ao progresso dos meios terapêuticos entretanto verificados; ou quando não correspondam às circunstâncias de facto que o outorgante previu no momento da sua assinatura.
A caducidade do testamento vital ocorre, por perda de eficácia, após o prazo de cinco anos a contar da sua assinatura. Salvo, haja declaração de confirmação do disposto no documento das DAV, nos termos do nº 1 do artº 3º.
Porém, se no decurso do prazo de cinco anos ocorra a incapacidade do outorgante, este mantém-se em vigor.
Contudo, o RENTEV informa por escrito o outorgante e o seu procurador de cuidados de saúde da data de caducidade do documento, com a antecedência de 60 dias antes de concluído o prazo.
5.2. Revogação expressa
Ocorre revogação expressa do documento do testamento vital, por expressa vontade do seu autor que o pode revogar ou modificar a todo o tempo15, Sempre que ocorra uma modificação o prazo de eficácia é renovado pelo mesmo prazo de cinco anos, a contar da data da ocorrência da modificação.
Para que ocorra uma modificação basta a simples declaração oral do outorgante ao responsável pela prestação de cuidados de saúde, do mesmo modo, que a simples declaração oral se torna bastante para a sua revogação.
Todavia, o responsável pela prestação de cuidados de saúde deve inscrever o facto no processo clínico, no RENTEV, caso esteja aí registado, e comunicar o facto ao procurador de cuidados de saúde, caso exista.

publicado em
30 Janeiro 2016 às 23:33

por

etiquetas
Mestrado, textos

Comentários fechados em DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (IV)

 


DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (IV)

AUTORA: Lurdes Dias Alves

Requisitos de validade
O Testamento vital, apesar de também ser um negócio jurídico não configura um testamento propriamente dito, nos moldes sucessórios com que facilmente o identificamos.
A produção dos seus efeitos depende da vontade do seu autor, para que o posso outorgar tem de reunir cumulativamente os requisitos de capacidade: Ser maior de idade; Não se encontrar interdito ou inabilitado por anomalia psíquica; e ser capaz de dar o seu consentimento consciente, livre e esclarecido.
3.1. Requisitos relativos à pessoa
Sendo o testamento vital um documento unilateral e livremente revogável a qualquer momento pelo próprio, justificam-se os requisitos de capacidade, porquanto a menoridade faz carecer de capacidade para o exercício de direitos (artº 123º CC).
Poderá também dizer-se (embora dentro dos limites constitucionais do artº 18º e nº 4 do 26º da CRP), que tanto a menoridade quanto os interditos por anomalia psíquica provocam uma diminuição da capacidade de gozo. Porquanto se o menor não emancipado e os interditos não pode testar (artº 2189º CC), logo, também o cidadão menor não pode outorgar uma diretiva de antecipação de vontade sob a forma de testamento vital. Estas incapacidades não podem ser supridas pelos pais ou tutor, porque cumulativamente é necessário que tenha a aptidão inata para dar o seu consentimento consciente, livre e esclarecido.
3.2. Requisitos relativos à vontade
Os requisitos relativos à vontade revelam-se os mais difíceis para o seu apuramento, isto porque o outorgante da diretiva antecipada de vontade tem de se mostrar capaz de se expressar no seu consentimento consciente, livre e esclarecido.
Porquanto a consciência de manifestação da vontade pressupõe, antes de mais, a inexistência de falta de consciência na vontade e, a inexistência de coação física (artº 246º CC).
Por outro lado o consentimento tem de ser informado para que o autor esteja esclarecido. A questão que se coloca reporta-se ao modo com é veiculada a informação, esta tem de ser prestada por alguém com a devida competência para o efeito, prestando a informação sob a forma de confidencialidade sobre o diagnóstico, o tratamento recomendado, os riscos inerentes ao tratamento bem como os proveitos, e o prognóstico.
Quanto à livre expressão de vontade – a liberdade, pressupõe desde logo, a total ausência de coação moral (artºs 255º e 256º CC).
3.3. Requisitos relativos à forma
As diretivas antecipadas de vontade são formalizadas através de documento escrito, assinado presencialmente perante funcionário devidamente habilitado do RENTEV (Registo Nacional do Testamento Vital) ou perante notário.
Os documentos escritos podem ser autênticos ou particulares (artº 363º CC) e deve constar:
a) A identificação completa do outorgante; b) O lugar a data e a hora da sua assinatura; c) As situações clínicas em que as diretivas antecipadas de vontade produzem efeitos; d) As opções e instruções relativas a cuidados de saúde que o outorgante deseja ou não receber, no caso de se encontrar em alguma das situações referidas na alínea anterior; e) As declarações de renovação, alteração ou revogação das diretivas antecipadas de vontade, caso existam. Caso o outorgante recorra à colaboração de um médico para a elaboração das DAV, a identificação e assinatura do médico podem constar no documento, se essa for a opção do outorgante e do médico.

publicado em
29 Janeiro 2016 às 22:48

por

etiquetas
Mestrado, textos

Comentários fechados em DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (III)

 


DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE – Testamento Vital (III)

AUTORA: Lurdes Dias Alves

Diretivas antecipadas lícitas
No âmbito do testamento vital, podem constar do documento DAV as disposições que expressem a vontade clara e inequívoca do outorgante:
a) Não ser submetido a tratamento de suporte artificial das funções vitais;
b) Não ser submetido a tratamento fútil, inútil ou desproporcionado no seu quadro clínico e de acordo com as boas práticas profissionais, nomeadamente no que concerne às medidas de suporte básico de vida e às medidas de alimentação e hidratação artificiais que apenas visem retardar o processo natural de morte;
c) Receber os cuidados paliativos adequados ao respeito pelo seu direito a uma intervenção global no sofrimento determinado por doença grave ou irreversível, em fase avançada, incluindo uma terapêutica sintomática apropriada;
d) Não ser submetido a tratamentos que se encontrem em fase experimental;
e) Autorizar ou recusar a participação em programas de investigação científica ou ensaios clínicos.
Quanto às diretivas antecipadas lícitas, enquanto forma de direito ao consentimento informado, estas manifestam-se de dois modos, que destacamos.
2.1.1. O testamento de aceitação do tratamento
No caso em que o indivíduo declare que consentirá na realização de um determinado tratamento se vier a encontrar-se incapaz para nele consentir, há que atender se o tratamento ou intervenção em questão se mostra indicado, segundo o estado de conhecimentos e da experiência da Medicina, para o seu tratamento ou cura.
Neste caso, do tratamento se mostrar indicado, a sua realização não será punida a título de intervenções e tratamentos médico-cirúrgicos arbitrários, porquanto exclui-se desde logo a ilicitude pelo consentimento presumido.
Nesta medida, a exclusão da ilicitude tem acolhimento jurídico-penal, se o consentimento9:
a) Só puder ser obtido com adiamento que implique perigo para a vida ou perigo grave para o corpo ou para a saúde; ou
b) Tiver sido dado para certa intervenção ou tratamento, tendo vindo a realizar-se outro diferente por se ter revelado imposto pelo estado dos conhecimentos e da experiência da medicina como meio para evitar um perigo para a vida, o corpo ou a saúde;
Salvo, não se verificarem circunstâncias que permitam concluir com segurança que o consentimento seria recusado.
2.1.2. O testamento de recusa do tratamento
O testamento de recuso do tratamento mostra-se de mais difícil solução no âmbito jurídico-penal, quanto ao consentimento presumido. A recusa do tratamento pode consubstanciar-se10:
i) Na recusa da realização de uma cesariana numa situação de urgência (por desrespeitar o «ritual» que algumas culturas associam ao parto);
ii) A recusa de terapêuticas consideradas invasivas (como a traqueotomia, a quimioterapia, uma perfusão cutânea);
iii) A recusa de alimentação (por greve de fome ou anorexia);
iv) A recusa de uma transfusão de sangue por motivos religiosos;
v) A recusa de receber uma vacina; ou,
vi) A recusa de tratar uma tuberculose.
2.2. Limitações
Na presente lei11, são havidas como juridicamente inexistentes, logo, não produzindo qualquer efeito, as diretivas antecipadas de vontade:
a) Que sejam contrárias à lei, à ordem pública ou determinem uma atuação contrária às boas práticas; Os dois primeiros limites resultam claramente do disposto no artº 280º do CC, o último limite faz apelo às leges artis (às regras da arte médica e à deontologia médica)
b) Cujo cumprimento possa provocar deliberadamente a morte não natural e evitável, tal como prevista nos artºs 134º e 135º do Código Penal; Mais uma vez, estamos perante um limite que representa a impossibilidade legal do artº 280º CC, sendo que o nosso sistema jurídico não reconhece o direito à eutanásia, os médicos não podem, mesmo perante uma diretiva antecipada de vontade, provocar a morte não natural ao paciente, a ser assim acometem os crimes de homicídio a pedido da vítima (artº 134º CP) e incitamento ou auxílio ao suicídio (artº 135º CP) tipificados na lei penal.
Entende-se que assim seja porquanto, a limitação conclui por uma morte não natural e evitável. É precisamente o facto de a morte ser evitável que conduz à inadmissibilidade da DAV, a limitação reporta-se claramente às situações em que a cura ou a regressão ainda sejam uma possibilidade.
c) Em que o outorgante não tenha expressado, clara e inequivocamente a sua vontade.
Esta limitação ao contrário das anteriores resulta desde logo do nº 2 do artº 2º da presente lei, em particular quando não existe qualquer expressão de vontade clara e inequívoca, de ser submetido a suporte artificial das funções vitais; tratamento desproporcionado ao seu quadro clínico; às medidas de alimentação e hidratação artificiais que apenas visam retardar o processo natural de morte; submetidos a tratamentos que se encontram numa fase experimental, ou a falta de autorização ou até mesmo, recusa de participar em programas de investigação científica ou ensaios científicos.
Acresce-nos ainda referir quanto à inexistência jurídica, no nosso ordenamento jurídico não tem caracter genérico, não pode ser aferido por um ato juridicamente inexistente, nessa qualidade não teria eficácia alguma, por tal não pode ser, nem tão pouco reduzido (artº 292º CC), nem convertido (artº 293º CC).
Deste modo, só através do 1630º CC se pode subsumir a inexistência jurídica das limitações das DAV constantes no artº 5º, porque essencialmente, o incumprimento das limitações:
– pode ser invocada por qualquer pessoa;
– não está sujeita a prazo de caducidade;
– é suscetível do conhecimento oficioso;
– é insanável.