Textos da secção 'Artigos recomendados' ↓

publicado em
27 Novembro 2016 às 19:45

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em John McAfee on the Erosion of Privacy and Freedom

John McAfee on the Erosion of Privacy and Freedom

By Joshua Philipp, Epoch Times | November 24, 2016

NEW YORK—John McAfee, who created the world’s first antivirus computer program, VirusScan, in 1987, and became a news sensation in 2012 when he was on the run from the law in Belize, gives a sobering view of how we are allowing technology to slowly erode our privacy, and with it, our basic freedoms.

“People are missing the fundamental truth of privacy,” said the McAfee Associates founder, in an interview with Epoch Times. “Governments, phone companies, and Google would like us to believe that if we have nothing to hide, we have nothing to fear. That is an extraordinarily naive understanding of privacy.”

When you go to the grocery store and meet a new clerk, do you tell that clerk all the details of what you did the night before? asks McAfee. What about your bank problems? The mortgage on your house?

When you leave the store, maybe you bump into an acquaintance, and with this person, you make small talk about how their family is doing. But you don’t divulge to this person the level of information you would a close friend, he points out.

“We have a social structure and order and process for such interactions, and they involve very limited choices,” McAfee said.

We have different levels of trust for each person we encounter, and the amount of personal information we divulge is based on this level of trust. Privacy, he said, is built by the “constant decisions and actions that each of us makes thousands of times per day.”
Privacy is complex. It’s not as simple as ‘I’ve got nothing to hide therefore, I’ve got nothing to fear.’ If everyone knew everything about everyone else, there would be riots in the streets.

McAfee views privacy as “the glue that holds our society together.” There’s the understanding that if we all divulged every detail about ourselves—our deeds both good and bad, all of our political views, all of our thoughts and opinions—it wouldn’t be our similarities that stick out anymore, but rather our differences.

The human race tends to be as judgmental as it is loving, he said. If people knew the misdeeds, betrayals, and bad thoughts of everyone around them, it could lead to riots in the street.

“It is the negative qualities that require privacy in order to have a smoothly functioning society,” McAfee said.

The idea that sharing information and ideas online would somehow help people to better understand each other has been proven false by the divisiveness now on display. “We just had election riots in the streets. Does any of that dialogue matter? No.”

For all that people can exchange ideas online, the level of debate is far from functional. McAfee believes people are judgmental and fixed in their opinions. “If I like Trump, then there is nothing that you will tell me about Hillary Clinton that will change my mind.”

He said reality differs from the optimistic view that sharing information about ourselves online can bridge differences. “All of these pie-in-the-sky hopes for technology, I don’t think will be achieved.”

As people divulge their deeper ideas, people with different views are often left feeling offended. The divulging of information, in this case, is leading to calls for the online censorship of rival viewpoints and information. Twitter’s recent purge of alt-right political commentators could be seen as a worrying precursor.
The Information Dictatorship

The idea of a single authority having control over information, the ability to discredit ideas and opinions, and the ability to censor at will, brings prospects that McAfee believes we as a society should find deeply concerning.

We’re already seeing this, as major technology hubs like Facebook and Google become both the storehouses of our personal information and the choke points of information we are able to receive.

“Google has prohibited power, has unconscionable power,” he said.

Many people take Google search results as fact, but overlook the sources of that information, and how Google selects which to put at the top of the list and which to bury. The next dictator, McAfee said, “will not be a political, head-of-state dictator.”
Google has prohibited power, has unconscionable power, because where do we get our information. … Who gives you that information?

“It will be,” he said, “the dictator of information.

“What I choose for you to believe, understand, know, or to fight for is the ultimate power.

“Who has that vault of power? Right now, it is Google.”

In the endless barrage of information, the challenge becomes knowing what is fact and what is fiction.

“The fake and the real cannot be distinguished if one person controls the delivery of the truth.”

Any information filtered by that person, he said, is going to be colored by their own prejudices and judgments, no matter how kind the person may be.
Big Brother Through Big Data

People also underestimate the significance of the data they generate, said McAfee. Beyond the bits and bytes stored on smartphones, people leave a wealth of information behind with every website they visit and every purchase they make.

Everything from Facebook comments to phone calls leaves data to be harvested.

“It’s every interaction of your life in the electronic world,” McAfee said.

He believes the rapid erosion of privacy, and the corporate collection of our personal data, is threatening society in a fundamental way.

“I see this headed in a direction that will cause a major collapse of the social order,” he said.

Our personal data is being traded, used, and monitored. Businesses like Google are using it to serve us advertisements. Companies are using it to understand our behaviors and personal interests. Governments are using it to watch for threats, or to prosecute us if we step out of line.
What I said 10 years ago is happening. What I said last year, it’s happening. But it doesn’t make me less of a lunatic.

McAfee noted that most great military leaders were great because they could predict the actions of their enemies. Now we are divulging data that can be used against us, in just the same way, right down to our most basic activities, interests, opinions, and beliefs.

“The goal of every dictator has not been absolute power,” he said, “It has been absolute knowledge of the populous, because a dictator who knows everything about you—where you are, who you’re with, what you’re saying—that man will never be unseated. This has been the search of all dictatorships since Adolf Hitler.

“This is George Orwell’s ‘1984,’ where you re-write history every day. This is the horror.”

As we enter a new the world of big data and the loss of privacy, there exists a power of dictatorship unprecedented in human history, an ability for a government to know the intricate details of its citizens, and shape their reality according to its machinations.

“This is that combination of what the dictator knows about the individual, and what the dictator allows the individual to know about his or her reality,” he said.

“We are standing on the edge of a cliff, teetering.”

Article printed from The Epoch Times: http://www.theepochtimes.com

publicado em
20 Novembro 2016 às 21:13

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em Eutanásia: Morrer é terapia?

Eutanásia: Morrer é terapia?

Autor: Alexandre Ferreira
Publicado em OBVIOUS

A morte pode ser considerada uma terapia, quando a tentativa de manter alguém vivo é o pior remédio? Ou a decisão sobre a vida vai além do sofrimento ou do desejo? Em que ponto de uma tentativa de cura a vida se torna menos importante que a morte? Ao que parece, o problema não é para quem vai, mas para quem fica…
O avanço inexorável da Ciência, mais especificamente no campo médico, vem evidenciar sobremaneira a necessidade cada vez mais premente de uma revisão minuciosa do Estudo da Ética, erigido nos primórdios da humanidade como mecanismo fundamental e propulsor do Método Científico ao qual delimita. Hoje, os infindáveis recursos de que dispomos para prolongar a vida (inclusive dos pacientes terminais e/ou até mesmo, dos pacientes com morte cerebral comprovada) nos chama à discussão sobre a legalidade do princípio de preservar a vida até a última instância como primordial no enfoque da medicina moderna, visto que de certa maneira, em muitos casos, essa conduta significa prolongar o sofrimento.

Até que ponto a melhor terapia seria deixar morrer?

Essa questão, já exaustivamente respondida sob o ponto de vista de todas as crenças de que se tem conhecimento, vem de encontro a um tema assaz ponderado nos últimos anos pelos estudiosos dos juízos de apreciação referentes à conduta humana no trato científico da vida e da morte. É sob esse prisma que ganhou força a ideia da morte também como terapia.

Objetivamente, falamos de Eutanásia e podemos dizer que a sua origem nos remete inevitavelmente à Grécia antiga — muito embora haja relatos bem anteriores dessa prática em povos Celtas. Da forma como contado, os celtas matavam seus pais e parentes idosos e terminais para que não penassem agonizantes. Ao longo do tempo, o termo eutanásia absorveu simploriamente para os outros idiomas a conotação de “Morte serena e sem sofrimento, não agoniosa”.

Certo é que muitos filósofos se debruçaram sobre o assunto, entre eles se destacaram alguns favoráveis à prática (Platão, Sócrates e Epicuro), e também, alguns não favoráveis (Pitágoras, Hipócrates e Aristóteles), o que não ajuda muito na defesa ou não da prática, considerando que foram todos esses homens brilhantes. Por essa razão mesmo é que a evolução notadamente da discussão somente aconteceu quando, em 1623, o estudioso Francis Bacon em sua obra “Historia Vitae et Mortis” apontou a Eutanásia como sendo “o caminho para a morte apropriada”, e se aprofundou ainda mais quando, em 1904, o estudioso Morache levantou um outro enfoque para o tema, mais complexo e determinado pelo emprego do neologismo Distanásia: “A morte prolongada, com sofrimento físico e psicológico do indivíduo lúcido”. A definição de Morache se constituía, no seu entendimento filosofal, como a única situação em que a Eutanásia se justificaria, de fato. Essa tese serviu de embasamento jurídico posterior para a formulação de leis mais apuradas acerca da prática.
tualmente, apesar dos avanços no entendimento dos mecanismos legais sobre o assunto no decorrer do século XX, abertamente, apenas quatro países do mundo admitem a Eutanásia: Holanda, Bélgica, Suíça e Alemanha. Prática que, conforme definição do Conselho de Bioética da Organização Mundial de Saúde, admitida como válida pelos principais Dicionários e Enciclopédias, científicas ou não, do Mundo, é o ato, ainda que sem amparo legal específico, de abreviar a vida de um Paciente cuja doença que o acomete é reconhecidamente mortal, incurável e/ou degenerativa, de modo a que haja perda total ou parcial da autonomia para a sobrevivência sem o devido amparo médico, e agravada independentemente da terapia utilizada no tratamento da enfermidade, embora necessariamente o paciente deva e/ou possa discernir sobre seu estado, mas não necessariamente constituindo-se em um Paciente Terminal, ou seja, aquele cujo tempo de vida independentemente do tratamento empregado variará de três a seis meses, no máximo.

Segundo estudo aprofundado de vários professores – entre os quais vale destacar os brasileiros Carlos Fernando Francisconi, Genival Veloso de França e José Roberto Goldin – a Prática da Eutanásia pode ser classificada quanto ao Tipo de Ação em:

1 – Eutanásia Ativa: Quando o ato deliberado de provocar a morte do paciente sem sofrimento ocorre por fins misericordiosos;

2 – Eutanásia Passiva ou Indireta: Quando a morte do paciente ocorre dentro de uma situação de terminalidade, ou porque não se inicia uma ação médica necessária ou porque se interrompe uma medida extraordinária com o objetivo de minorar o sofrimento;

3 – Eutanásia de Duplo Efeito: Quando a morte é acelerada como uma consequência indireta das ações médicas que são executadas visando o alívio do sofrimento de um paciente terminal.

Há também, ainda segundo esse estudo, a classificação quanto ao Consentimento do Paciente em:

1 – Eutanásia Voluntária: Quando a morte é provocada atendendo a uma vontade do paciente;

2 – Eutanásia Involuntária: Quando a morte é provocada contra a vontade do paciente;

3 – Eutanásia não Voluntária: quando a morte é provocada independente da vontade do paciente.

Também, ao longo dos tempos, algumas outras interpretações mais subjetivas ou de cunho espiritual foram importantes para destrinchar e entender melhor a importância da religião nas questões éticas: A relevância e o enfoque que elas adquirem para cada credo específico, influenciando decisivamente até na Pesquisa Científica direta e na implantação dos resultados obtidos. Nesse sentido se destacaram os Teólogos Larrag e Claret que, no Século XIX, formularam tese sobre a Eutanásia como sendo “A morte em estado de Graça”, abrindo novo leque interpretativo para o tema. Isto mais tarde viria a influenciar alguns juristas espanhóis quanto à visão do Homicídio Piedoso, vista mais adiante.
Todo esse ideário sobre a Eutanásia veio, no Século XX, a comprovar a necessidade de se formular mecanismos legais mais complexos acerca da validação ou não do ato, e embora haja uma vasta e competente literatura sobre o tema – com trabalhos premiados de vários profissionais, em todas as linhas de interpretação e de todas as áreas, inclusive médicos, teólogos, até juristas e sociólogos — a competência específica da ciência para dissertar e determinar sobre a legalidade do ato suplantou a qualificação jurídica para legislar acerca do mesmo, ora limitando-a ao poder meramente conceituai que a filosofia imprime no trato da medicina quanto à proteção à vida.

Hoje, apesar do alargamento do limite científico na manipulação da vida (demostrado com louvor nos casos que envolveram a clonagem de humanos), ainda há um entrave quanto à capacidade de entendimento jurídico da Eutanásia que cresce — infelizmente – na medida em que se progride nas técnicas de revitalização dos seres viventes, uma vez que se mantém o discurso ético científico original, ainda que já em muito reformulado. Dessa falta de clareza quanto aos limites de competência nos valores acerca da defesa do bem-estar do indivíduo humano resulta a necessidade de se discutir o objetivo da medicina.

Alguns bons juristas tentaram sem tanto êxito estudar o tema, embora outros tenham se destacado por observarem o aspecto filosófico da Eutanásia, entre eles o Dr. Jimenez de Asúa, importante advogado espanhol que, em fins da década de 20 do século anterior, formulou a tese jurídica sobre o Homicídio Piedoso, posteriormente incorporada ao Código Penal Uruguaio, que além de ter sido o primeiro país a admitir uma brecha legal para a prática da Eutanásia, ainda hoje mantém esse código de leis datado de 1934. Nesse caso e de acordo com a tese, a inimputabilidade facultada resulta das seguintes condições apreciadas pelo júri, em casos de Homicídio:

1 – Ter antecedentes honráveis e comprovados;

2 – Ter realizado o Homicídio sob forte emoção, caracterizada como piedade extrema, na tentativa desesperada de amenizar o sofrimento da vítima;

3 – A vítima ter feito, comprovadamente, reiteradas súplicas para que a deixassem morrer.

A salvaguarda feita no Código de Leis Uruguaio foi aperfeiçoada por juristas e sociólogos através de estudo financiado pelos Países Baixos, que durou mais de 20 anos, acompanhado também por Cientistas – e aplicada na Holanda, a partir de 1993, na forma de Suicídio Assistido. Segundo o estudo realizado, este ocorre quando uma pessoa enferma irreparável não consegue realizar um suicídio sozinha, devido a limitações físicas e mentais, comprovadas em Parecer de Junta Médica, e solicita o auxílio dos profissionais que a cercam de cuidados para realizar tal ato. Este auxílio deveria ser indireto para que não se caracterizasse como Eutanásia, o que de fato não acontece, pois quase todas as vítimas são incapacitadas fisicamente — vale lembrar que a lei não se aplica a pessoas comuns que tenham auxiliado outras a se suicidarem, e nisso difere um tanto do Código Uruguaio, pois nesse caso se constituiria delito grave, sem qualquer previsão de inimputabilidade.

Dentre os critérios para se solicitar o Suicídio Assistido na Holanda constam:

1 – A solicitação para morrer deve ser uma decisão voluntária feita por um paciente informado;

2 – A solicitação deve ser bem ponderada por uma pessoa que tenha compreensão clara e correta da condição do doente e de outras possibilidades. A pessoa que deseja morrer também deve conhecer dessas nuances;

3 – O desejo de morrer deve ter alguma duração considerável;

4 – Deve haver sofrimento físico e mental que seja insuportável, mesmo que a vítima não esteja terminal;

5 – A consultoria em Junta Médica imparcial é obrigatória. Ainda assim, mesmo que se sigam todas as hipóteses favoráveis à prática, o médico que realizar a Eutanásia sob forma de Suicídio Assistido, deverá enviar extenso Relatório do ato à Autoridade Médica Local – sem emissão de Atestado de Óbito até que se cumpra a praxe — e esta relatará a morte ao Promotor Distrital, que decidirá ainda se o médico deve ou não ser processado.

Como se pode notar, há uma fina linha de seda que separa o Suicídio assistido de um crime de Homicídio, que perdura e impede que os médicos holandeses realizem a prática com segurança, mesmo que o doente lhes comova de sua vontade.

Alguns outros países também autorizaram a Eutanásia sob forma de Suicídio Assistido em seus Códigos Penais, casos da Colômbia, em 1997 – esta com a mesma abordagem do Uruguai – e da Bélgica, em 2002 — esta última reformulou o conceito holandês, tornando-o mais restritivo. Suiça, Alemanha, Suécia e Luxemburgo, mais recentemente, também resolveram seguir por esse mesmo caminho do suicídio assistido. Já na Áustria, a Eutanásia Passiva não é ilegal.

Israel é o único país asiático a permitir a Eutanásia. Por lá, há dispositivos legais específicos sobre o ato, que é permitido em doentes comprovadamente terminais, o que é bastante surpreendente, dada a evolução social apresentada no país.

Por outro lado, outros países preferiram rever e reestudar os mecanismos legais que poderiam vir a dar esteio à essa prática, mas sem muito sucesso: Caso da Austrália, que num curto período de tempo (entre 1996 e 1997) incorporou ao seu Código Penal uma lei que admitia a Eutanásia em Pacientes Terminais, apenas, exatamente como fizeram alguns Estados dos EUA, na mesma época, sendo que com mais sucesso do que na terra do canguru, visto que a lei perdura até hoje nesses locais.

A Espanha, mesmo tendo sido o País precursor do debate acerca do tema, ainda não admitiu nenhuma Lei favorável a Eutanásia, o mesmo acontece com o Canadá, que apesar de não ter nenhum mecanismo legal favorável, costuma punir com menos rigor os responsáveis por cometerem essa prática. Já a França apresentou uma forma mais complexa de caracterizar a prática como crime em seus domínios, diferenciando a Eutanásia Ativa — que constitui Homicídio — da Eutanásia Passiva — que constitui Omissão de Socorro. Alguns projetos de lei tentaram ser implantados na virada do Século, porém sem o menor sucesso, um deles chamou a atenção, pois garantiria a possibilidade de o paciente francês decidir sobre a melhor terapia para seu caso em detrimento da ação do médico, dentre as quais, morrer. Atualmente, a França permite sedação permanente em pacientes terminais.

No Brasil a Eutanásia ainda é considerada Homicídio, mas houve um Projeto de Lei sobre o assunto que tramitou sem muito sucesso no Senado Federal por longos anos, desde 1995. Infelizmente, sua abordagem era bastante falha em alguns pontos cruciais: Como no que dizia respeito aos prazos para que o paciente refletisse sobre a sua decisão e como o que determinava sobre quem seria o Médico Responsável pelo ato, por exemplo. Ainda sim, se constituiu num mecanismo legal ousado e interessante, sabendo-se que procurava reformular conceitos da tentativa francesa de possibilitar a livre escolha do melhor tratamento por parte do paciente, abrindo novo ideário de discussões acerca da Ética Médica no Brasil. Por outro lado, procurava amenizar a pena das pessoas comuns que cometem homicídios piedosos.
Hoje, a Reclusão para os casos de Homicídio varia de seis a vinte anos, com a nova lei, um novo Parágrafo seria implantado descrevendo a possibilidade do Homicídio Piedoso, com reclusão que variaria de três a seis anos, somente. Outro Parágrafo significativo seria implantado relatando os casos em que um indivíduo qualquer desligasse conscientemente os aparelhos responsáveis por manter artificialmente a vida de uma pessoa enferma. Nesse caso, se atestado por dois médicos que o paciente não teria chance de sobreviver, o Réu ficaria isento de culpabilidade, ainda que tivesse a intenção de matar comprovada em juízo.

Não é difícil perceber que existe uma preocupação progressiva por parte de todos os países do mundo acerca da Eutanásia, mais acentuada após Congresso da ONU sobre o tema, no início dos anos 2000 e, segundo estudo feito pela Universidade de Cambridge àquela época, até meados da década de 10 dos anos 2000, pelo menos 85% dos países do planeta já teriam legislado algo sobre o assunto, previsão que, infelizmente, não se concretizou.

De outro modo, no entanto, há mobilizações interessantes na Inglaterra e na Irlanda acerca do estudo da Bioética e, é provável que dentro dos próximos anos se altere alguma coisa nessa área em boa parte dos países europeus. Aliás, já é tempo de mudanças comportamentais na Sociedade da Ciência.

Bom, pelo menos numa coisa esses estudos – mesmo os teológicos e filosóficos – continuarão sendo vazios: Em que ponto de uma tentativa de cura a vida se torna menos importante que a morte?

Levantada a pergunta, cada um chegue à sua conclusão.

Fontes de Pesquisa:

Jiménez de Asúa L. Libertad para amar y derecho para morrir. Buenos Aires: Losada, 1942. Admiraal P. Euthanasia and assisted suicide. In: Thomasnma DC, Krushner T. Birth to death. Cambridge: Cambridge, 1996:210. Diniz D. A despenalização da Eutanásia Passiva: O caso da Colômbia. Medicina-CFM 1998; XE11(98):8-9. * Criegger BJ. Cases in Bioethics. New York: St Martin, 1993:137.

*Declaração de Madrid sobre Eutanásia — WMA/1987

*Declaração de Veneza sobre Doentes Terminais — WMA11983

*Declaração de Política sobre o cuidado de pacientes terminais com dor crônica — WMA/1990

*Códigos Penais Comentados dos Seguintes Países: Uruguai; Holanda; Colômbia; Austrália; França; Bélgica; Brasil; Espanha e Canadá

*Schneiderman LJ. Jecker NS. Wrong Medicine: Doctors, Patients and Futile treatment. Baltimore: Johns Hospkins, 1995;8,

* Código de Ética Médica — CFM Brasil, 1988

publicado em
17 Setembro 2016 às 8:29

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em Regulamento Geral sobre a Protecção de Dados: Notas I

Regulamento Geral sobre a Protecção de Dados: Notas I

O Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho (RGPD), datado de 27 de abril de 2016, vem alterar radicalmente o quadro legal relativo à proteção das pessoas singulares no que respeita ao tratamento dos dados pessoais, revogando a Diretiva 95/46/CE.
Assentando no propósito claro de harmonização entre os Estados-Membros, em virtude da sua aplicabilidade direta, prevista no artigo 288º do Tratado de Funcionamento da União Europeia (TFUE), o diploma dá especial atenção à livre circulação dos dados, a partir da constatação, desenvolvida logo no Considerando (5), sobre o “aumento significativo dos fluxos transfronteiriços de dados pessoais” causado pela “integração económica e social resultante do funcionamento do mercado interno”.
Em vigor desde o vigésimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia, o RGPD é aplicável a partir de 25 de maio de 2018. Esse momento marcará uma abordagem diversa da proteção dados em vários aspetos, que procuraremos referir de modo sumário.
A prevista redução da fragmentação, a par do aumento da segurança jurídica, têm o propósito declarado de melhorar a proteção dos direitos fundamentais das pessoas singulares.
Assim, o direito à proteção de dados é assumido no quadro da defesa dos direitos e liberdades fundamentais dos indivíduos, como resulta do artigo 1º do Regulamento (UE) 2016/679.

publicado em
15 Dezembro 2015 às 11:48

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em O que é o Fundo de Garantia de Depósitos (FGD ou Fundo)?

O que é o Fundo de Garantia de Depósitos (FGD ou Fundo)?

O FGD é uma pessoa coletiva de direito público dotada de autonomia administrativa e financeira, que tem por objeto principal garantir o reembolso de depósitos constituídos nas instituições de crédito autorizadas a receber depósitos do público e que nele participem.

Leia o artigo original: O que é o Fundo de Garantia de Depósitos (FGD ou Fundo)?
fonte: www.fgd.pt

publicado em
15 Dezembro 2015 às 10:32

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em Banif. Os depósitos estão seguros ou não? Um guia para o que aí vem

Banif. Os depósitos estão seguros ou não? Um guia para o que aí vem

O Governo e a administração do Banif estão no sprint final de um contrarrelógio que, na realidade, é uma maratona que já dura há quase dois anos. A urgência que se acentuou nos últimos meses deve-se a dois fatores, indissociáveis um do outro: a deliberação de Bruxelas sobre a legalidade da ajuda de Estado ao banco e, por outro lado, a alteração do enquadramento legal na Europa que fará com que, se o problema se arrastar para 2016, os depositantes estejam em risco de se verem envolvidos na resolução do banco. Ainda assim, o Governo garante que os depósitos estão seguros. Em que ficamos?

Leia o artigo original: Banif. Os depósitos estão seguros ou não? Um guia para o que aí vem
fonte: observador.pt

publicado em
14 Dezembro 2015 às 10:47

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em O que ainda pode fazer para poupar na fatura do IRS

O que ainda pode fazer para poupar na fatura do IRS

A entrega da declaração do IRS de 2015 começa a 15 de março. Das faturas que juntar até ao final do ano dependerá o imposto que irá pagar – e ainda há formas de poupar

Leia o artigo original: O que ainda pode fazer para poupar na fatura do IRS
fonte: www.dn.pt

publicado em
12 Dezembro 2015 às 11:24

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em What The KGB Can Teach You About Data-Driven Marketing

What The KGB Can Teach You About Data-Driven Marketing

During the Cold War, the KGB was so good at identifying undercover CIA agents that officials worried that there was a highly placed mole in the agency. But as Jonathan Haslam, a professor at Princeton University, wrote earlier this fall, that wasn’t the case at all.

Leia o artigo original: What The KGB Can Teach You About Data-Driven Marketing
fonte: readwrite.com

publicado em
10 Dezembro 2015 às 10:45

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em MEPs close deal with Council on first ever EU rules on cybersecurity

MEPs close deal with Council on first ever EU rules on cybersecurity

Transport and energy companies will have to ensure that the digital infrastructure that they use to deliver essential services, such as traffic control or electricity grid management, is robust enough to withstand cyber-attacks, under new rules provisionally agreed by internal market MEPs and the Luxembourg Presidency of the EU Council of Ministers on Monday. Online marketplaces like eBay or Amazon, search engines and clouds will also be required to ensure that their infrastructure is secure.

Leia o artigo original: MEPs close deal with Council on first ever EU rules on cybersecurity
fonte: www.europarl.europa.eu

publicado em
20 Novembro 2015 às 16:52

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em The position of a powerful EU spy chief is long overdue

The position of a powerful EU spy chief is long overdue

The fact that a new series of attacks could take place in Paris so soon after the Charlie Hebdo murders illustrates the need for a European Union spy chief, writes Stephen Kingah.

Leia o artigo original: The position of a powerful EU spy chief is long overdue
fonte: www.euractiv.com

publicado em
20 Novembro 2015 às 12:42

por

etiquetas
Artigos recomendados

Comentários fechados em 29 journalists take European Parliament to court

29 journalists take European Parliament to court

Twenty-nine journalists have filed 27 complaints with the European Court of Justice against the European Parliament, which allegedly refused to give information on how MEPs spend their allowances

Leia o artigo original: 29 journalists take European Parliament to court
fonte: www.euractiv.com